Monday, May 19, 2008

15



a V,B,A,G


Quinze

foi o número que os separara anos a fio
o mesmo número os unira num só em dias.
Ela desejara-o
para além de mil e uma noites como Sherazade, uma mulher em sonho.
Ele seria a incógnita do tempo , mais que presente em sua vida.
Quinze
era o número que os separara num passado
recordado por ela e os unia agora num presente a dois.
Um versus o outro.
Talvez um dia em quinze de espera sejam uno.
A união verdadeira do SER 


Quinze!
A união plena entre o um e o cinco.
Um! Um sorriso trocado a dois.
Cinco! Cinco os dedos da mão dela
que ele segurou e teimou levar à boca para um terno beijo.
Sorriram para o nada, a acreditar no todo.
Serenamente o tempo devolveu-lhes quinze anos em quinze dias
Estavam ali a par olhos nos olhos sob um número ímpar .
O um
e o cinco que lhes trazia em flash imagens de uma outra história
recordada em quinze anos de intervalo sob cúmplices gargalhadas.
O um era um tempo.
O cinco os dias da semana
contados hora a hora segundo a segundo pelos dois.
Quinze
o número que os ligou
à vida no desejo de um fogoso
momento …

4 comments:

Anonymous said...

o (1)um e o (5)cinco...provavelmente dará...(6)seis!
j.

Irene said...

...e assim se conta o tempo sem quantidade suficiente para abarcar o número!

FB said...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.

Vânia said...

Gostei muito do que li. O enigma das palavras transparece algo muito profundo! Parabéns!