Thursday, June 14, 2007

Teatro

Tábua a tábua
O palco
O acto
a plenitude sentida na planta do pé
a palavra vibrante
o teu corpo seguro

O palco
O acto
a luz rompe
a deixa se deixa na tua firmeza

O palco
O acto o ponto morto
fixado na clareza evidente do escuro
no lado oposto
soa a deixa de um verso sentido
deambulas por ali
em ti,
sentes
confias
viajas
a teus pés cada tábua a passo

O palco
O acto

o êxtase alcançado.

Cai o pano ... por ti.

7 comments:

alexandrecastro said...
This comment has been removed by the author.
alexandrecastro said...

Mesmo sabendo que a curiosidade matou o gato…não resisti ao encanto do chamamento…!
Claro que terei que vir cá muitas mais vezes…! Só com um “simples olhar“ é quase impossível “saborear” as suas belíssimas escritas. E quando essas se prolongam para mais 3 blog´s….é de facto muita “produção”!!! Aqui, do Norte, cá ficarei aguardando novidades, daí, do sul.

Makejeite said...

gosto deste teu blog. e muita fixe.

Makejeite said...

Amiga: Atãzo eu não respondi a agradeceri? respodi timtenhora!!! Só que tenho estado bué de aterefado e só hoje é que tive a tarde livre porque esperei por um cliente que resolveu não aparecer e não dizer nada e então estive entretido a escolher musiquinhas e a fazer mudanças no blog, mas agradeço. Eu nem sei em que blog fale contigue. Este fica aqui e agora vou ver os mail Bjsssssssss GRANDES e muteagradecide!

Nilson Barcelli said...

Este poema é diferente. Gostei.
Beijinhos.

Vieira Calado said...

Um poema muito bem conseguido.
Bom fim de semana.

Vieira Calado said...

Poesia escrita com muita segurança, de quem domina na perfeição, palavras, sons e ritmos.
Beijinhos algarvios.